Comemorando dois anos no Canadá.

bolo2anos[3]

Hoje estamos de aniversário : dois anos residindo no Canadá. 🙂

Só dois anos? É tudo muito estranho porque parece que estamos aqui há muito mais tempo. Deve ser pelo  fato de que aqui nós nos sentimos em casa. Pelo menos para mim é assim que eu sinto: Toronto –  where I really belong!

Estamos amando morar aqui, não temos do que reclamar com relação á nossa vida aqui. Cleber tem um bom emprego, ama o que faz, Kaio está estudando, a Maple Exchange está caminhando com passos firmes e isso me deixa muito feliz da vida. Aliás, aproveita e dá uma espiada no nosso site clicando AQUI e passa pela nossa página no facebook. (rá não poderia perder a oportunidade de fazer uma propagandinha, eh? rs

Resumindo, já temos uma boa rotina, sim eu gosto de rotina! Preciso ter rotina para poder ter o prazer de quebrá-la vez ou outra rs rs rs.

Mas ás vezes dá muita saudade “de casa” (leia-se: algumas pessoas que ficaram por lá). E uma pergunta que sempre rodeia quem mora fora é: “Quando vocês vão voltar pro Brasil?” Sempre tem alguém que vem com esta pergunta e aí fica uma conversa sobre voltar pro Brasil ou não voltar, como seria se você voltasse e aí não tem jeito acabo me pegando ás vezes pensando :  se eu voltasse, como seria?  E já me perguntei também:  Será que daqui alguns anos eu terei vontade de voltar ao Brasil para morar novamente?

Quando fico com essas perguntas no ar ou quando esse assunto aparece na roda eu sempre acabo voltando para o que me motivou a sair um dia do meu país. E motivo que não faltou para tomar a decisão de largar tudo e recomeçar tudo do ZERO em outro país. A falta de segurança, falta de educação, falta de tolerância , e como sou da área da saúde, a falta de saúde pública.

O ponto que chegou a saúde pública é lamentável e nem vou falar sobre a minha amada odontologia, é triste demais o nível que chegou. Falta tanta coisa no nosso Brasil e por outro lado sobra outras mais  como desigualdades, exclusões e injustiças e o tal  “jeitinho brasileiro”.

Tenho nojo disso. Desculpem -me quem faz uso desse “jeitinho” mas eu simplesmente ODEIO. E fujo disso e de quem age assim.Poderia ficar aqui falando um montão sobre isso mas nem vale à pena. Dureza mesmo  é você sair do teu país e ainda “dar de cara”com alguns brasuca e estes tentarem fazer você “aceitar”isso como normal. Aff deixa pra lá. rs

Voltando pro nosso Canadá, quando vim a primeira vez para Toronto, em março de2010, eu simplesmente me apaixonei e tive a certeza que era aqui que eu queria viver. Tudo era novo, diferente e por isso me fascinou? Sim tudo era novidade para mim e então eu ouvia: ah você esta deslumbrada!

Realmente eu fiquei deslumbrada com o fato de que aqui eu podia andar com meu celular na mão , no ônibus ou metro, nas ruas sem medo de tomarem o aparelho de mim.Ver pessoas usarem seus notebooks no transporte publico, e praças sem medo . Poder andar num transporte publico sem ficarem tentando se esfregar na gente. As varias oportunidades que o Canadá tem a oferecer, foi o que me estimulou a escolher este país para recomeçar uma vida. e detalhe, aos 45 anos. É aos 40 você pode!

Aqui eu aprendi que não precisamos de muito para ser feliz. Com pouco dinheiro você pode se divertir , viajar de vez enquanto ( o que ainda está um pouco fora da minha realidade pois enfrentar um processo de validação do diploma na minha área exige muito empenho emocional e financeiro). Mas é possível curtir a vida de verdade e sem muitos gastos.

A minha felicidade aqui no Canadá não se encontra no shopping ou na manicure de toda semana ( alias …nem vou comentar rs rs)

Na verdade aqui se trabalha para viver e não se vive para trabalhar (embora conheça pessoas q vivem para trabalhar- #pobre coitados- #azar deles).

Esta situação de viver pra trabalhar é algo que me marcou muito quando um medico  me chamou a atenção perguntando exatamente isso. Numa consulta ele fala: Você vai ficar doente assim , afinal você trabalha pra viver ou vive para trabalhar? E não deu outra, meses depois tava eu lá doente. Foi um chacoalhão para mim. ( coincidentemente este mês está fazendo 20 anos que isso aconteceu)

Não estou falando que aqui é O paraíso. Tem  problemas no Canadá? Ooooobvio que tem. Mas, para mim, poder ver que no mesmo edifício que eu moro  também moram a faxineira ou  alguém  que trabalha na construção , o médico ou advogado é tudo de bom.

Sabe por quê isso acontece? Porque aqui a diferença entre as classes é muito, mas muito menor.

Poder sentir o quanto qualquer profissional é mais respeitado aqui do que no nosso Brasil é de estimular a qualquer um querer ficar aqui por muito tempo! Quem sabe pra toda vida!

E quando você vai no seu médico de família, e o meu é O cara  e ele te atende (ás vezes) usando tênis e moletom e ninguém fica duvidando da capacidade dele só porque ele não esta “engravatado ou com camisa do jacaré” . Saber que aqui ninguém fica olhando para a marca da roupa que você esta usando, até mesmo porque aqui qualquer um pode se vestir muito bem. E vamos combinar, os que ficam olhando, normalmente são seus amigos brasileiros que ainda tem muito de”Brasil”neles. Aff#prontofalei lol

Outra coisa que eu gosto muito aqui é ter meu espaço preservado , o respeito de não invadirem o meu espaço é o que eu mais gosto na cultura canadense e fico muito triste quando vejo gente quebrando esta regra.  Infelizmente toda vez que isso aconteceu comigo foi com brasileiro e seu jeitinho de chegar chegando. Mas não posso  falar que só brasileiro que me  “decepcionou” com isso. Pessoa de outra nacionalidade também e para mim foi um choque porque não esperava esta atitude, mas depois sabendo da origem da pessoa e sobre a cultura dela até deu para entender( mas não aceitar).

Poder vivenciar a diversidade cultural é tudo de bom. Eu simplesmente A-DO-RO . Abre os horizontes do pensar.E você vê que existe vida além do Brasil.

Ok, vamos ser sinceros , vida de imigrante não é fácil. Você tem que lutar muito para conseguir seu espaço ao sol, e ás vezes alguns nem mesmo conseguem e os motivos muitas vezes não é a falta de capacidade e sim o sistema que nem sempre é claro ou justo. Mas como no meu vocabulário palavras como persistência , teimosia , dedicação são fortes , não será qualquer barreira que vai me derrubar, pode ate desanimar mas derrubar não. Afinal de contas o verbo “to give up”não existe na minha lista 😉

Como lema eu sempre falo: cansar pode, desistir não pode!

Enfim com relação a voltar ao Brasil eu me pergunto : quem depois de viver a segurança no lado de cá , uma vida com qualidade , poder atravessar a rua com segurança sabendo que vão respeitar a faixa de pedestre, poder ficar despreocupada que teu filho esta na rua com os amigos depois da meia noite e que vai voltar para casa ás vezes de ônibus ou metro, andando um trecho á pé , conhecer um mundo de diversidade e cultura , quem vai querer voltar a viver numa casa com grades e cercas com medo de tudo? Eu não, mas não mesmo!

Gostaria de viver entre os “meus queridos” mas cada dia que passa sinto-me menos parte deles e o que me consola é saber que o mundo é grande demais para nascer e morrer no mesmo lugar!

Eu penso que todos deveriam um dia sair de sua redoma ou zona de conforte e experimentar esse mundão ai fora, ver o mundo com outros olhos e de um prisma diferente, aprender coisas diferentes e aproveitar a oportunidade para mostrar o lado bom da sua cultura também. É, sim nós temos coisas boas a mostrar também.

Eu cheguei já a me pegar pensando: Quem sabe voltar ao Brasil e lutar para mudar algo, fazer dele um lugar melhor. Mas seria muita ingenuidade da minha parte achar que conseguiria isso. Brasil , país de duas faces: lindo e horrível ao mesmo tempo.Desculpe mas é assim que eu vejo meu país hoje.

Agradeço a Deus o privilégio de estar exatamente onde eu estou hoje e sei que muitos , se pudessem , estariam aqui também !

O que o futuro me promete eu não sei. Só sei que eu estou fazendo a minha parte , sai da minha zona de conforto , abri meus horizontes estou lutando e agora é só eu e Deus!

Felicidade para mim é isso, poder ir além , testar meus limites, viver sem paradeiro, sem pausa e sem pressa, se assim eu sentir desejo (sim ando com vontade de viajar e conhecer novos lugares. As rodinhas nos pés andam doidas para entrar em ação).

Outubro aqui é mês de Thanksgiving , mês que eu e Cleber contamos nosso tempo de redescobertas e desafios no Canadá também,! E eu só tenho a agradecer a Deus por tudo que tivemos desde o primeiro dia que colocamos nossos pés nessa terra até o momento. Cada pessoa que cruzou nosso caminho teve um porquê.Cada experiência até aqui só nos fez enxergar o quanto somos pequemos e nosso Deus enorme e que então nos faz fortes o suficiente para continuar com passos firmes de quem sabe onde quer chegar! 🙂

Almejei conhecer mais o ser humano, atravessei o oceano e descobri  um mundo cheio de alegrias e tristezas também. Mas voltar a ser a mesma pessoa, nunca mais!

E viva o Canadá ,viva a diversidade cultural! 🙂

18 de Outubro será lembrado para sempre 🙂

Aprendi com o passar dos anos…

Esta semana ando muito pensativa. Consegui reviver um turbilhão de coisas em 5 dias. Algumas boas outras nem tanto. Senti uma forte saudade de “casa” , do colo de mãe que só quem mora muito longe pode entender isso. Acabei me deparando com este texto que conseguiu expressar o que ando sentindo.

“Aprendi com o passar dos anos: Que “colhemos aquilo plantamos”, mas muitas vezes também, colhemos o que não plantamos, mas que foram plantados pelos outros.Que “nem tudo que reluz é ouro”, mas quem nasceu para brilhar, não precisa lustrar. Que há pessoas que nascem sorrindo, vivem fingindo e morrem mentindo.

Aprendi com o passar dos anos: Que a verdade geralmente, perde-se em discussões prolongadas. Que os amigos verdadeiros são mais raros que os diamantes. Que os tempos difíceis não duram eternamente, mas os fortes, esses sim, permanecem inabaláveis.

Aprendi com o passar dos anos: Que o mesmo sol que derrete a cera, é o mesmo que endurece o barro, a vida é feita de perspectivas. Que o mundo evoluiu, mas Deus não se modernizou, e que o pecado continua sendo pecado. Que o silêncio vale ouro”, mas há momentos em que silenciar é mentir.

Aprendi com o passar dos anos: Que não devemos levar para a cama o amanhã, pois ele só causará insônia. Que não se pode tropeçar quando se está ajoelhado. Que é melhor evitar a isca do que lutar contra a armadilha.

Aprendi com o passar dos anos: Que é melhor acender uma pequena vela do que maldizer a escuridão da noite.Que é preciso ser perseverante, pois foi pela perseverança que o caracol chegou à Arca de Noé.Que são nas noites mais escuras, que as estrelas brilham mais.

Aprendi com o passar dos anos: Que as preocupações trazem as nuvens de amanhã sobre o sol de hoje. Que aqueles que não trabalham, são os que mais atrapalham. Que podemos fazer coisas em um instante, das quais nos arrependeremos pela vida inteira.

Aprendi com o passar dos anos: Que apenas uma grama de fé é mais precioso que um quilograma de conhecimento.Que os bens terrenos são transitórios como as flores do campo.Que as pessoas são o que são e não o que vestem.

Aprendi com o passar dos anos: Que devemos amar as pessoas como se não houvesse amanhã. Que um conselho recusado é mais tarde relembrado.Que as árvores frondosas, já foram humildes sementes.

Aprendi com o passar dos anos: Que a morte iguala a todos, mas o destino não. Que algumas das maiores dádivas de Deus são orações sem resposta.Que o caminho estreito não tem problemas de trânsito

Aprendi com o passar dos anos: Que depois dos 40 anos, o que a maioria das pessoas considera virtude é apenas perda de energia. Que as decisões de Deus são misteriosas, mas estão sempre a nosso favor. Que todos nós vivemos sob o mesmo céu, mas não temos os mesmos horizontes.”

Por António Magnani